Como criar um bom planejamento financeiro anual para 2020?

Um novo ano está chegando e é hora de repensar as estratégias da empresa, correto? Nesse caso, você não pode deixar de lado o planejamento financeiro anual, pois ele ajuda a reduzir riscos financeiros e cortar custos desnecessários, além de tornar o negócio mais rentável.

No entanto, há um pequeno problema: muitos empresários não sabem exatamente como construir esse plano e o que deve conter nele. Por exemplo, é necessário estabelecer um teto de gastos, avaliar os custos que são estratégicos ou definir metas para o ano todo?

Se esse é o seu caso, leia atentamente nosso artigo. Explicaremos o que é planejamento financeiro, qual a sua importância e quais os passos necessários. Então, boa leitura!

O que é planejamento financeiro anual?

Primeiro, resumidamente, vamos esclarecer sobre o que estamos tratando. Toda empresa tem vários planos — como o plano de marketing, vendas ou gestão de pessoas. E todos eles ajudam a extrair melhores resultados do empreendimento.

Como a área financeira é uma das mais delicadas, crucial ao êxito de qualquer empresa, também é indispensável estabelecer um plano para o seu adequado funcionamento.

O plano financeiro anual consiste na soma de objetivos e estratégias financeiras, tendo em vista o exercício de um ano, que deve ser seguido pelos funcionários e pela alta administração do empreendimento, no intuito de maximizar seus finanças.

Não há uma regra rígida que diga como o planejamento financeiro deve ser feito ou mesmo quais objetivos devem ser estabelecidos pelos seus gestores. É importante, no tanto, que ele seja construído com dados consistentes, rigor técnico e espírito empreendedor.

Qual é a importância do planejamento financeiro anual?

Você já deve ter visto ou atravessado uma ponte, certo? Seu principal objetivo é conectar você ao lugar onde quer chegar. Com o planejamento financeiro é a mesma coisa: te permite sair dos resultados financeiros atuais para os futuros e desejados, investindo um mínimo de recursos. Veja outros benefícios, adiante.

Promove a saúde financeira da empresa

Todos os anos, muitas empresas fecham as portas por não conseguirem pagar suas contas. Isso pode acontecer porque vendem pouco ou não estabelecem uma boa carteira de clientes, mas também porque não conseguem planejar adequadamente suas finanças.

O planejamento financeiro promove uma maior organização entre entradas e saídas do caixa, garantindo que a empresa tenha saúde financeira suficiente para manter suas portas abertas, para pagar o pró-labore dos proprietários e até promover novos investimentos.

Reduz custos que não são estratégicos

Há uma série de custos necessários para manter a empresa em funcionamento. No entanto, alguns custos podem ser considerados estratégicos, pois geram retorno sobre investimento. Outros, porém, não são estratégicos e podem afetar a lucratividade da empresa.

Um bom planejamento permite que tenha uma visão holística dos custos existentes e do seu potencial de retorno sobre investimento que eles oferecem. Desse modo, fica mais fácil enxugar gastos, priorizar o que realmente importa e gerar uma maior margem de lucro.

Garante maior segurança financeira

Toda empresa conta com uma estratégia financeira. Por exemplo, disponibiliza crédito aos seus clientes finais e financia seus novos projetos por meio da emissão de cotas. Se essas estratégias precisam passar por mudanças, o correto planejamento soma segurança.

O planejamento financeiro antecipa e elimina eventuais problemas que estão ligados à mudança da estratégia financeira da empresa, permitindo que tudo seja feito de maneira mais fluida e bem-sucedida. Assim, o número de surpresas indesejadas serão menores.

Quais os principais passos para fazer o planejamento financeiro?

O correto planejamento financeiro anual começa com a definição dos objetivos financeiros desejados para a empresa, que devem ser alcançados no próximo ano. É preciso baseá-los em análises profundas e dados verídicos. Também é preciso estabelecer novas estratégicas, definir métricas de desempenho e levantar relatórios periodicamente. Veja mais, adiante.

Estabeleça objetivos financeiros claros

Primeiro, é preciso definir qual é o seu objetivo financeiro. Ele deve ser claro o suficiente para que todos entendam, desafiador para promover melhorias significativas e realista para não desestimular as equipes envolvidas.

Há muitos objetivos financeiros possíveis, como reduzir o endividamento da empresa, aumentar a liquidez ou maximizar o percentual de lucratividade. Esses objetivos devem ser escolhidos tendo em vista a estratégia genérica do empreendimento.

Uma das principais técnicas para definir objetivos é a chamada OKR (do inglês objectives and Key Results). Consiste na definição de um objetivo-chave e sua posterior fragmentação em resultados menores e mais fáceis de alcançar.

Para tanto, após definir seu objetivo, pense o seguinte: quais são os passos necessários para atingi-lo? Depois, faça outra pergunta: esses passos podem ser divididos em outros menores e mais fáceis? Se sim, faça isso. Assim, terá um objetivo realmente claro.

Obtenha dados que subsidiem seu planejamento financeiro

Nenhum objetivo ou estratégia financeira deve estar descolado da realidade. Exatamente por isso, é preciso de dados que ofereçam uma visão profunda e realista, tanto da empresa quanto do mercado. Assim, terá maiores chances de acerto.

Nesse caso, é interessante olhar para o ambiente externo e investigar resultados ligados ao objetivo inicialmente definido. Por exemplo, se quer aumentar sua rentabilidade, qual é a média dos concorrentes? Quais são as projeções econômicas para o próximo ano? Os fornecedores projetam aumentar seus preços? Obtenha dados para essas questões.

Busque, de igual modo, dados do ambiente interno. Como foi o resultado financeiro que a sua empresa apresentou nos dois últimos anos? Houve um aumento do faturamento? Quais mudanças podem reduzir sua margem de lucro? É interessante pensar nessas questões e depois buscar respondê-las com dados extraídos de relatórios e softwares gerenciais.

Após contar com os dados que deseja, poderá refinar os objetivos inicialmente definidos, tornando-os mais realistas. Também terá “insumo” suficiente para criar sua estratégia de atuação e garantir a construção de um planejamento eficaz.

Estabeleça a sua estratégia financeira anual

Pense na estratégia como o “grosso” do seu planejamento. É uma boa estratégia que vai garantir que saia do estado atual e chegue até o resultado desejado. Portanto, é importante caprichar nessa etapa.

Uma pergunta recorrente é: qual a melhor estratégia financeira para empresas? É difícil responder essa questão, pois ela depende essencialmente dos objetivos desejados, das recursos disponíveis ao seu empreendimento e das variações do seu mercado.

Imagine, por exemplo, que quer aumentar o seu faturamento anual. Isso significa que você poderá assumir novas dívidas e recorrer a mais financiamento, o que não seria feito se o seu objetivo fosse o de reduzir custos e tornar a empresa mais “enxuta”.

Para encontrar sua estratégia, responda a seguinte questão: como eu vou alcançar o objetivo inicialmente definido? É possível que tenha uma série de ideias diferentes, então será necessário filtrar as mais interessantes e depois adotar algumas.

É importante destacar, no entanto, que nenhuma estratégia é algo estático. Você poderá modificá-la ao longo do ano corrente, dependendo das variações ao nível de empresa e mercado que não foram inicialmente projetadas.

Estabeleça o seu plano de ação

Agora que entende qual é o seu objetivo e como vai alcançá-lo, é hora de definir o seu plano de ação. Esse plano consiste em um passo a passo minucioso, etapa por etapa, que diz o que deve ser feito, como, quando e por quem.

Há muitas ferramentas para criar um bom plano de ação. Uma das mais interessantes é chamada de 5W2H. Seu nome é um acrônimo de 7 perguntas do inglês que precisam ser respondidas para que tenha seu plano de ação, são elas:

  1. What: o que será feito?
  2. Why: por que será feito?
  3. Where: onde será feito?
  4. When: quando?
  5. Who: por quem será feito?
  6. How: como será feito?
  7. How much: quanto vai custar?

Assim, após preencher sua matriz 5W2H, terá uma visão muito mais profunda. Saberá precisamente o que precisa ser feito, quem estará envolvido e quanto é que tudo isso vai custar. Então, poderá executar a sua estratégia de maneira precisa e organizada.

Estabeleça e monitore indicadores de progresso

Imagine que sua estratégia está pronta e você está na etapa de execução, na qual coloca tudo em prática. Passam dois ou três meses e quer saber se os resultados desejados estão sendo alcançados e se a estratégia está sendo bem-sucedida. Como fazer isso?

Bom, nesse caso, é preciso contar com indicadores-chave de desempenho (também chamados de KPIs). Eles funcionam como um termômetro e mostram o que está sendo alcançado ― e o que não está. Assim, é possível promover eventuais ajustes no plano.

Existem muitos indicadores interessantes para a área financeira, por exemplo, o índice de inadimplência, o retorno sobre investimento (ROI), o percentual de liquidez do negócio e a margem de lucro por venda. Ao usá-los, saberá se está (ou não) na direção certa.

Enfim, agora está por dentro do assunto. Nesse post, explicamos o que é planejamento financeiro anual, qual a sua importância para a empresa, como desenvolvê-lo com acerto e monitorar seu progresso. Agora é hora de colocar tudo em prática e obter bons resultados.

Gostou do nosso artigo, correto? Aproveite, então, para assinar nossa newsletter e receber novos conteúdos sobre estratégia, finanças e negócios diretamente no seu e-mail. Vamos lá!

Quer receber as nossas novidades por e-mail gratuitamente?

Cadastre-se para receber as nossas novidades por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.